quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Classe média mimimi

Eu trabalho. Apesar disso, não consigo pagar um aluguel sozinha aqui no Rio de Janeiro, cidade olímpica que foi leiloada há alguns anos atrás. Aliás, além da especulação imobiliária criminosa, cariocas que não fazem parte dos 0,71% da população mundial que detém 41% da riqueza também têm que enfrentar o vilão do supermercado, uma vez que comer é luxo.

E eu estava no meu trabalho quando vi irromper na timeline do Facebook (sim, eu posso trabalhar com acesso ao Facebook) e nos sites de notícias posts sobre o preço anunciado pela Sony para o PlayStation 4 no Brasil - R$4.000,00.



Qualquer pessoa, brasileira ou gringa, sabe que os impostos aqui desse lado do equador são imensos, absurdos, abjetos, sufocantes, causticantes, opressores e injustos. Se assim é para coisas BÁSICAS como moradia e alimentação, não poderia ser diferente de um produto considerado SUPÉRFLUO, por mais divertido que ele seja.

Mas aí o ki-suco ferveu! Posts acalorados sobre como somos índios, enquanto nos EUA o mesmo produto custa USD400, aqui custa R$4.000,00! E dá-lhe de disparar culpa na presidente, digitando em caps lock maldições e palavras de ordem contra o governo.



Interessante é que eu não vejo NINGUÉM fazendo o mesmo protesto de sofá pelo preço dos aluguéis e das coisas no supermercado.


Ainda mais instigante é perceber que boa parte dos que se sentiram desrespeitados e lesados com a fortuna a ser cobrada no videogame acha que professor é vagabundo, que tinham que se dar por muito satisfeitos em receber os R$15.000 propostos pelo governo carioca para quem deles conseguir alcançar (não se sabe a que preço e nem em quanto tempo) uma pós-graduação!

Sim, eu sou a favor de preços JUSTOS de importados, gadgets, tablets, 4G, internet, nave espacial, o que mais for moderno e sofisticado. Mas eu sou AINDA MAIS A FAVOR do preço JUSTO do que precisamos pra VIVER com dignidade, tipo comida e casa.